smabA cidade de Brasília foi inaugurada em 21 de abril de 1960 como a nova capital da  República Federativa do Brasil. Com ela, nascia também a Arquidiocese de Brasília,  confiada aos cuidados pastorais de Dom José Newton de Almeida Baptista, o qual já  havia sido bispo de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul (1944), e arcebispo de  Diamantina, em Minas Gerais (1954).

A ideia da construção de um seminário na nova capital surgiu, em primeiro lugar, na  bula de criação da Arquidiocese de Brasília “Quandoquidem nullum” (16 de janeiro de  1960), do Papa João XXIII, que indicava a grave obrigação de edificar, ao menos, um  seminário menor. Depois, o primeiro Arcebispo de Brasília, no seu discurso de posse  (21 de abril de 1960), colocava a construção do seminário entre as suas primeiras metas  pastorais.

Em 12 de outubro de 1960, seis meses após a inauguração da Arquidiocese, foi lançada  a pedra fundamental do Seminário Arquidiocesano. Nessa ocasião, Dom José Newton  afirmou que esse seminário constituiria a “fonte de vida da Arquidiocese de Brasília”.

Inaugurado parcialmente em 1º de março de 1962, esse Seminário Menor, confiado à  direção dos padres lazaristas, depois de funcionar durante alguns anos, teve de ser  fechado.

Desde então, Dom Newton passou a buscar uma solução para a questão vocacional da  jovem Arquidiocese. Em 26 de agosto de 1973, o Papa Paulo VI dirigiu uma carta ao  Superior Geral dos Padres de São Sulpício, pe. Constant Bouchaud, manifestando  confiança e reconhecimento pelo serviço prestado por essa Companhia à Igreja no  campo da formação dos futuros sacerdotes. Lendo essa carta, publicada no “L’  Osservatore Romano”, Dom Newton pensou em convidar os Padres Sulpicianos para  dirigir o tão almejado Seminário Maior de Brasília.

_MG_8778Para tanto, escreveu ao Núncio  Apostólico no Brasil, Dom Camine Rocco, apresentando-lhe toda a situação e a  possibilidade de solicitar a cooperação da Companhia de São Sulpício.  Assim, Dom Rocco entrou em contato com o pe. Bouchaud, pedindo-lhe oficialmente,  por uma carta (18 de abril de l974), que providenciasse a fundação e a direção do  Seminário Maior de Brasília. Com prontidão, já nos dias 24 a 30 de setembro, o pe.  Roland Dorris, Superior Provincial dos Sulpicianos do Canadá, junto com o pe. Rodrigo  Arrango, Reitor do Seminário Maior de Bogotá, faz uma visita a Brasília, para tratar dos  projetos de fundação do novo seminário. A fundação fica definitivamente aprovada por  uma carta do Arcebispo de Brasília, em 30 de junho de 1975.

Em 05 de agosto, Dom José Newton envia uma carta circular a várias dioceses do  Brasil, oferecendo-lhes o novo Seminário de Brasília para a formação dos seus futuros  sacerdotes. Assim ele se expressava nessa carta: “Venho oferecer a Vossa Excelência   nosso Seminário Maior, isto é, o seu Primeiro Ano de Filosofia, a iniciar-se em março  de 76. Em 1977, teremos também o Segundo Ano de Filosofia, e assim por diante, até  completar o curso dos três anos de filosofia e quatro de teologia… Sentimo-nos felizes  por ter obtido da Sociedade de São Sulpício, Província do Canadá, a direção e, pois, a  formação de nossos futuros sacerdotes.